Pular para o conteúdo principal

Sobre Nós

Aberto

Guia completo do cilindro de CO₂: entenda tudo sobre o assunto

Cilindro de co2

Se você procura um cilindro de CO₂ para executar alguma tarefa, seja no bar ou restaurante ou para outra aplicação, saiba que nem todos os recipientes são iguais. Os produtos se diferenciam pelo grau de pureza, pelo tipo e aplicação.

Ainda, o uso do cilindro de CO₂ é extremamente versátil. Ele pode ser usado, por exemplo, em processos de soldagem em funilarias e em bares e choperias para gerar pressão na extração da bebida. Da mesma forma, pode ser indicado para substituir extintores de incêndio comuns e compressores.

Para saber tudo sobre o cilindro de CO₂, acompanhe este guia completo sobre o assunto. Tire suas dúvidas e escolha o recipiente mais apropriado para você!

O que é o cilindro de CO₂?

Primeiramente, é relevante retomar alguns conceitos básicos, iniciando pelo CO₂.

Assim, vale destacar que CO₂ é a sigla para dióxido de carbono, ou gás carbônico. O CO₂ faz parte da família dos óxidos, que correspondem às moléculas que apresentam oxigênio ligado na sua composição. Neste caso, é uma formação química de dois átomos de oxigênio e um de carbono. 

O cilindro de CO₂ nada mais é que o recipiente que contém o gás, geralmente em seu estado liquefeito. Diante da sua versatilidade, é utilizado em diferentes segmentos.

Não confunda!

Dióxido de carbono (CO₂) se difere de monóxido de carbono (CO). O CO₂ não causa impactos ecológicos tão consideráveis; isso é atribuído ao CO.

O monóxido de carbono é um gás tóxico, gerado através de queimas incompletas, como a combustão de motores de automóveis e caldeiras. 

Quando comparados, o CO apresenta uma toxicidade muito maior que o CO₂.

Produção de CO₂

Naturalmente, o gás carbônico é encontrado na atmosfera. Acontece que o corpo humano libera CO₂ constantemente, da mesma forma que animais e plantas. Essa liberação acontece no processo de respiração. 

Ainda, há outras fontes de liberação de CO₂, como:

  • decomposição de seres vivos;
  • queima de combustíveis; 
  • atividades vulcânicas, como a erupção;
  • processos industriais;
  • queimadas ocasionadas em desmatamentos.

Quais são as principais características do cilindro de CO₂? 

Para compor o CO₂ presente no cilindro, a indústria utiliza fontes ricas em dióxido de carbono a partir de processos petroquímicos ou reforma de gás natural. Na sua forma, é comercializado sob pressão em cilindros feitos, geralmente, de aço.

O CO₂ presente no cilindro apresenta algumas principais características:

  • é liquefeito, ou seja, transformado em líquido;
  • não apresenta cor;
  • é inodoro;
  • é levemente ácido;
  • não é inflamável;
  • é mais pesado que o ar;
  • é solúvel em água.

Somado a isso, os cilindros são encontrados em diversos tamanhos, desde ampolas pequenas com capacidade para 12 g até cilindros de grande porte com 45 kg.

Para que serve o cilindro de CO₂?

O cilindro de CO₂ é um recipiente utilizado para práticas distintas e é necessário para a produção de diferentes produtos, como a carbonatação de cervejas e a proteção da poça de fusão em soldagem.

Para não ter dúvidas da versatilidade do cilindro de CO₂, veja as principais aplicações do recipiente nos mais variados mercados:

  • alimentos, para resfriamento e procedimentos com a embalagem;
  • bebidas, para trazer a carbonatação;
  • gás de proteção para soldagem;
  • laboratórios;
  • indústrias.

Opção para extintores

O CO₂ também é utilizado em extintores de incêndio. Isso porque o gás, ao ser acionado, faz com que o oxigênio, necessário para que o fogo permaneça, seja dispersado. Desta forma, reduz a concentração de oxigênio e apaga o foco de incêndio.

O extintor de CO₂ é indicado para lidar com incêndios que se originam de algumas situações, como:

  • queima de líquidos e gases inflamáveis;
  • objetos elétricos;
  • materiais sólidos.

Ainda, vale destacar um ponto bem importante: o CO₂ não danifica aparelhos eletrônicos, como computadores e equipamentos domésticos. Por outro lado, deve ser evitado para objetos leves. A questão é que diante da pressão utilizada para expelir o gás, o foco de incêndio pode se espalhar e aumentar o problema.

Aplicação na medicina

O CO₂ também é utilizado na área médica, em que é chamado de CO₂ medicinal. Em processos cirúrgicos, ele é usado para abrir espaços no organismo e facilitar os procedimentos de videolaparoscopia.

Não é à toa que o CO₂ é o gás mais indicado para cumprir este objetivo. Dentre os motivos, é possível citar:

  • o CO₂ também está presente no organismo. Assim, não há problemas em ser absorvido, pois será expelido no processo de respiração. Desta forma, reduz as chances de complicações durante a cirurgia, como alergias;
  • a característica não inflamável do CO₂ permite que a utilização de aparelhos eletrocirúrgicos não ocasionem nenhum problema ao paciente, como queimaduras; 
  • além disso, o CO₂ tem efeito bacteriostático, ou seja, evita a proliferação de bactérias.

Procedimentos estéticos

O gás carbônico também é utilizado em procedimentos estéticos. Um exemplo é a técnica chamada de carboxiterapia, que consiste na aplicação do gás nas camadas da pele. Há estudos que apontam que a aplicação de CO₂ colabora para regenerar os tecidos.

No mercado da beleza, é usado para tratar estrias ao ser aplicado na cicatriz formada pelo rompimento do tecido. Já para lidar com quadros de celulite, é injetado entre a pele e a gordura.

Ainda, o CO₂ melhora a circulação sanguínea e, por esse motivo, também pode ser indicado para tratar olheiras.

Processo cervejeiro

O CO₂ é quase um “ingrediente” da cerveja. O gás é fundamental no processo de fabricação da bebida para que ela tenha uma boa carbonatação, forme uma espuma consistente no copo e não seja oxidada. Vale destacar que a oxidação da cerveja resulta em off flavours, que são defeitos indesejáveis na produção da bebida.

Além de ser aplicado no processo de produção, o CO₂ também é usado em tanques que servem para o transporte da cerveja. Na prática, o tanque recebe gás para preparar o ambiente antes de receber o líquido. Assim, diminui a presença de oxigênio e reduz as chances de oxidação.

CO₂ sólido

Essa é uma das formas amplamente utilizadas de CO₂. Algumas pessoas conhecem por gelo seco, e é utilizado com frequência para efeitos visuais em cenografias e para resfriar rapidamente alimentos, vacinas e órgãos que precisam ser transportados.

Ao expandir rapidamente o gás de modo a atingir temperaturas de até -78°C, ele atinge a fase de congelamento. Assim, ao ter contato com a temperatura e pressão do ambiente, o gás sofre sublimação.

Neste contexto, o CO₂ passa para o estado gasoso, sem passar pelo líquido. Daí o nome "gelo seco".

Quais são os cuidados necessários para a manipulação segura do cilindro de CO₂?

O cilindro de CO₂ precisa ser manuseado com cuidado, tanto pela toxicidade quanto pelos riscos de acidentes.

Sobre a toxicidade, é importante reforçar que o CO₂ não apresenta danos tão imediatos e severos como o monóxido de carbono. Porém, há riscos na inalação em altas quantidades, causando impactos na saúde, como queimaduras e tonturas.

Ainda, vale destacar que qualquer gás em cilindro precisa de cuidados para evitar acidentes, e as explosões são as principais situações que devem ser evitadas. 

Diante disso, confira a lista de cuidados básicos para o manuseio do cilindro:

  • use proteção individual, como luvas. É importante ressaltar que, em contato com a pele, o CO₂ causa congelamento. Assim, pode gerar queimaduras, inclusive para uso em alimentos;
  • utilize um regulador de pressão compatível com o gás. Os reguladores mostram como está a pressão do cilindro, que deve respeitar as normas de segurança;
  • não aperte conexões para evitar vazamentos. Caso perceba que o gás está vazando, refaça o procedimento: desconecte, limpe os componentes e conecte novamente válvulas e roscas;
  • quando o cilindro não estiver em uso, sempre feche a válvula e confirme se o procedimento foi feito;
  • atenção ao aquecimento. Nunca deixe um cilindro de CO₂ perto de uma fonte de calor, por mais que ele não seja inflamável; 
  • verifique o cilindro e se certifique que a estrutura não está corrompida ou comprometida. recipientes com rachaduras e fissuras não devem ser utilizados;
  • não transfira CO₂ de um cilindro para outro;
  • não permita que pessoas sem conhecimento manuseiem os cilindros;
  • evite choques e impactos de um cilindro contra outro;
  • tenha cuidado para não derrubar o cilindro no chão;
  • utilize os cilindros apenas para as funções destinadas;
  • mantenha a válvula de consumo do cilindro protegida, através de tulipa ou capacete.

Testes importantes

Uma das principais recomendações para quem manuseia um cilindro de CO₂ é verificar se a embalagem apresenta vazamentos.

Para evitar acidentes, técnicos costumam verificar a válvula do cilindro e os reguladores de pressão para se certificar que o recipiente está em condições de uso, sem escapamentos.

Ao perceber qualquer irregularidade, o cilindro deve ser retirado do ambiente e colocado em um local aberto, com ventilação e sem circulação de pessoas. Assim, o gás pode ser expelido em segurança.

Alerta!

Uma recomendação importante e que você precisa ter em mente ao perceber qualquer vazamento no cilindro CO₂ é: nunca tente estancar o vazamento. Para isso, mantenha o cilindro na posição vertical, em local adequado e aguarde até o gás ser expelido por completo.

Além do vazamento, também é possível fazer testes para se certificar da pureza do gás. Contudo, este processo é mais complexo e deve ser feito por instituições normativas ou técnicos especializados.

Para o consumidor final, a recomendação é sempre optar por fabricantes que apresentem certificações reconhecidas no Brasil e internacionalmente.

Por isso, vale a pena questionar fornecedores sobre a procedência e composição do cilindro de CO₂. E, se possível, consultar as certificações.

Como armazenar de forma segura o cilindro de CO₂?

Ao comprar um cilindro de CO₂, é preciso tomar alguns cuidados específicos para armazená-lo. Lembre-se que, para manter a segurança, algumas recomendações são fundamentais não apenas ao manusear o recipiente, já que mesmo quando não estiver em uso são necessárias algumas medidas de atenção. Confira:

  • em caso de cilindros maiores, mantenha-os acorrentados;
  • não armazene em subsolos ou locais com temperatura elevada;
  • evite deixar próximos os cilindros vazios dos cheios;
  • nunca remova os sinais de identificação dos cilindros; 
  • não permita que fumem em áreas próximas aos cilindros. Por mais que o material não seja inflamável, faíscas e altas temperaturas podem ocasionar o rompimento da estrutura e explosões;
  • mantenha recipientes de segurança próximos do ambiente de armazenagem.

Como deve ser o transporte do cilindro de CO₂?

Antes de armazenar corretamente o cilindro, saiba que o transporte do recipiente também precisa de cuidados e deve-se seguir recomendações de segurança. Entre elas, podemos citar:

  • transporte o cilindro na posição vertical. No caso de cilindros grandes, para curtas distâncias movimente o cilindro rolando a base. Para distâncias maiores, o uso de carrinho para movimentação é obrigatório.
  • tenha um espaço de carga reservado para o recipiente, separado do motorista; 
  • tenha conhecimento dos riscos e saiba como lidar em casos de acidentes;
  • verifique se o espaço no qual a carga será transportada tem ventilação;
  • certifique-se de que os cilindros estão com as válvulas fechadas e protegidas com tulipa ou capacete, e fixados com segurança. 

Quais são as práticas de primeiros socorros após contato com a substância?

O contato com o CO₂ não é agressivo em níveis toleráveis, mas pode ocasionar queimaduras na pele e reações nos olhos em função do congelamento promovido pela substância.

Também não é comum que seja ingerido ou inalado em quantidades que coloquem a saúde em risco, mas é preciso tomar cuidado e nunca facilitar para que isso aconteça. 

Em casos de alta concentração de CO₂, o indivíduo pode sentir tontura, cansaço e náuseas em um primeiro momento. O excesso da substância pode ocasionar falta de ar e complicações, como parada respiratória.

Por isso, ao ter contato com CO₂ e perceber irritações na pele ou algum dos sintomas citados acima, é indicado:

  • se o CO₂ for inalado, procurar um ambiente arejado e respirar de forma controlada e calma até estabilizar a respiração e os sintomas percebidos;
  • em casos mais sérios e diante da falta de ar, acionar ajuda médica;
  • ao ter contato com os olhos, é recomendado lavar abundantemente e consultar um médico especialista. Para quem usa lentes de contato, é fundamental retirá-las.

Qual é a diferença entre o cilindro de oxigênio e de CO₂?

Como já foi apresentado, o cilindro de CO₂ tem como principais características ser composto por gás liquefeito, sem coloração ou aroma e não é inflamável. Sua aplicação também tem destinações na indústria alimentícia, em serralherias e funilarias e para combater incêndios.

Já no caso do oxigênio, o gás se encontra no cilindro na fase gasosa, comprimido a alta pressão para aumentar o volume estocado, e as suas principais aplicações são no uso medicinal e industrial (oxi-combustão).

Na medicina, a função do O2 é repor a saturação de oxigênio no sangue e facilitar a respiração em situações nas quais ela é comprometida. Assim, na oxi-combustão, a sua função é aumentar a temperatura de chama e garantir uma combustão mais eficiente para processos como corte e solda, uma vez que o combustível está em contato com O2 puro ao invés do ar atmosférico, que tem aproximadamente 21% desse componente em sua composição.

Diante disso, fica evidente que os cilindros se diferenciam, principalmente pela sua aplicação.

Utilização do mesmo recipiente

Vale lembrar que, enquanto o oxigênio promove a oxidação, o CO₂ inibe este processo. Assim, não é recomendado reutilizar embalagens que armazenaram oxigênio para armazenar CO₂.

Esse alerta serve, e muito, para processos alimentícios, como a produção de cerveja. E aqui vai uma curiosidade: a oxidação da cerveja ocasiona características indesejáveis na bebida, o que interfere no sabor, na aparência e no aroma.

Como descartar um cilindro de CO₂?

Se você precisou utilizar o cilindro de CO₂ para controlar algum acidente com fogo, por exemplo, e não sabe o que fazer com o recipiente, saiba que existem algumas alternativas.

A primeira delas é a reutilização! Cilindros vencidos ou usados podem ser recarregados por empresas especializadas e certificadas pelo INMETRO. E aqui vai mais um alerta: nunca recarregue em casa e sem a supervisão de profissionais certificados.

Contudo, se o recipiente apresenta fissuras ou qualquer danificação na estrutura, é recomendado que seja encaminhado para a reciclagem. Desta forma, os componentes do recipiente, formados por metais, podem ser reaproveitados da melhor maneira.

Em último caso, quando não é possível reutilizar ou reciclar, o descarte final deve ser feito conforme as orientações do fabricante e normas ambientais.

Normas e protocolos de segurança

Você deve ter percebido que, em qualquer ocasião de reutilização e descarte, é essencial respeitar as orientações de instituições de segurança e saúde. Por isso, não abra mão de recarregar cilindros com empresas que são especializadas no procedimento e que sejam certificadas pelos órgão competentes, como o INMETRO.

Da mesma forma, verifique as normas de reciclagem para encaminhar os componentes do cilindro para locais que façam o devido reaproveitamento.

Falando em normas, no Brasil existem algumas consolidadas e empregadas para os recipientes e vasos sob pressão contendo gases, categoria na qual os cilindros de CO₂ são classificados.

Dentre elas, é possível citar:

  • NR-13: direcionada para caldeiras e vasos de pressão;
  • NBR 12.791: referente aos cilindros de aço, sem costura, para armazenamento e transporte de gases a alta pressão;
  • NBR 12.790: referente aos cilindros de aço especificado, sem costura, para armazenagem e transporte de gases a alta pressão;
  • NBR 11.725: referente às conexões e roscas para válvulas de cilindros para gases.

Por mais que não apresente um grau tão acentuado de toxicidade para a saúde, sempre é recomendado seguir protocolos de segurança para manusear o cilindro de CO₂. Isso porque a preocupação não está apenas em efeitos nocivos para o organismo, mas também para evitar acidentes, como explosões.

Quais são as diferenças do uso de CO₂ puro e misturado?

Essa é uma dúvida muito recorrente para quem precisa comprar cilindro de CO₂ e não tem conhecimento sobre a composição dos gases de alta pureza.

A pureza do CO₂ é importante para determinados procedimentos. Já para outras ocasiões, como solda, o gás pode ser misturado com outro componente para ter melhores resultados.

Argônio e nitrogênio

Como exemplo, é comum encontrar misturas de CO₂ e argônio, dois gases que, quando utilizados juntos, resultam numa melhor aparência da solda feita em funilarias. Isso se dá pelo fato de que, quando aplicado apenas o CO₂, o gás causa respingos durante o processo de soldagem e prejudica a aparência do resultado.

Ainda, para servir chopp, é comum utilizar a mistura de CO₂ e nitrogênio. Isso porque o nitrogênio faz com que a bebida fique com uma melhor aparência: bolhas com melhor formação e menores, assim como espuma estável e persistente. Além disso, a mistura garante a bebida uma textura mais cremosa.

Por isso, é importante verificar a composição do CO₂ que você pretende comprar, e buscar informações técnicas de qual é o mais adequado.

Quais são os diferenciais dos cilindros de CO₂ da Air Liquide?

A Air Liquide desenvolve produtos com gases especiais, puros e misturas gasosas. Os produtos são certificados e produzidos com uma especificação ampla, o que facilita a sua aderência na grande maioria dos segmentos. Além disso, a empresa tem foco na redução de impacto ambiental e entrega soluções aos seus clientes considerando esta questão.

Todos os cilindros são acompanhados de certificados contendo a especificação do produto, como número de lote de fabricação e data de validade, o que facilita o rastreio e controle do recipiente.

Puro ou mistura gasosa

Neste sentido, a Air Liquide disponibiliza o CO₂ de duas formas:

  • como gás puro e em dois níveis de pureza;
  • em misturas gasosas, podendo ser composto com argônio, oxigênio e nitrogênio.

 

No caso das misturas gasosas, saiba que a Air Liquide conta com certificações internacionais, que asseguram a utilização do produto, conforme as normas de diversos países.

Instalação

Para locais que necessitam de instalação dos cilindros, como laboratórios, a Air Liquide conta com alta capacidade técnica, adaptável para cada projeto e com foco na qualidade.

Ao solicitar a instalação da Air Liquide, você recebe:

  • processo de instalação completo;
  • reguladores de pressão;
  • centrais (automáticas e manuais) e postos de consumo;
  • equipamentos complementares, como rede em inox com solda orbital;
  • painéis para acompanhar o consumo e sistema de monitoramento remoto; 
  • treinamento;
  • garantia;
  • equipe técnica especializada;
  • documentação conforme normas de segurança: com ART e laudos.

Embalagens

Os cilindros de CO₂ da Air Liquide estão disponíveis em embalagens de acordo com as obrigatoriedades legais e de segurança. Assim, os recipientes são especialmente tratados, com válvulas apropriadas para o tipo de gás.

Como foi apresentado neste guia, a utilização do cilindro de CO₂ é bastante versátil e abrange diferentes segmentos. Diante disso, é fundamental contar com empresas que sejam certificadas, ofereçam um suporte técnico adequado e garantam a pureza da composição do gás.

Por fim, se você tem interesse em conhecer produtos que tenham qualidade e reconhecimento no mercado, aposte nos cilindros de CO₂ da Air Liquide. Para isso, acesse o nosso catálogo online ou então entre em contato com a equipe especializada, compartilhe a sua necessidade e receba as melhores recomendações para adquirir as soluções Air Liquide que atendam a atividade que você precisa!